Festival de Brasília: quatro longas e oito curtas compõem a Mostra Brasília BRB


06 Nov

Longas da Mostra Brasília BRBOs quatro filmes que concorrem na categoria de longas-metragens. Crédito: Divulgação

Com apoio cultural do Banco de Brasília, a Mostra, restrita a filmes produzidos no DF, pagará R$ 150 mil aos vencedores

A 52ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro tem um espaço muito especial reservado para os realizadores candangos: a Mostra Brasília BRB, patrocinada pelo Banco de Brasília – BRB, que decidiu associar a sua marca de sucesso ao cinema produzido no Distrito Federal. Com a intenção de ampliar e divulgar a produção local, a Mostra apresentará ao público 12 filmes feitos na capital e será realizada entre 25 e 29 de novembro, premiando com R$150 mil (no total) os ganhadores em 13 categorias.

A Mostra Brasília BRB de Cinema está dentro da programação do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, que acontece entre os dias 22 de novembro e 1º de dezembro. Uma comissão foi formada para selecionar e julgar os filmes que são exclusivamente produzidos nas Regiões Administrativas do Distrito Federal.

Conheça os quatro longas-metragens e os oito curtas que disputarão a preferência do júri e do público.


Longas-metragens

Nome: Mãe

Diretora: Adriana Vasconcelos

Gênero: Ficção

Minutagem: 86 min

Classificação indicativa: 16 anos


Nome: Dulcina

Diretora: Glória Teixeira

Gênero: Documentário

Minutagem: 94 min

Classificação indicativa: Livre


Nome: Ainda temos a imensidão da noite 

Diretor: Gustavo Galvão

Gênero: Ficção

Minutagem: 98 min

Classificação indicativa: 16 anos


Nome do Filme: Mito e música – A mensagem de Fernando Pessoa

Diretores: Rama de Oliveira e André Luiz Oliveira

Gênero: Documentário

Minutagem: 96 min

Classificação indicativa: 12 anos


Curtas-metragens

Nome: Claudia e o Crocodilo

Diretora: Raquel Piantino

Gênero: Animação

Minutagem: 10 min

Classificação indicativa: 10 anos


Nome: #SOMOSAMAZÔNIA

Diretor: João Inácio

Gênero: Documentário

Minutagem: 12 min

Classificação indicativa: Livre


Nome: O véu de Amani 

Diretora: Renata Diniz

Gênero: Ficção

Minutagem: 15 min

Classificação indicativa: Livre


Nome do Filme: A terra em que pisar

Diretor: Fáuston da Silva

Gênero: Ficção

Minutagem: 25 min

Classificação indicativa: Livre


Nome do Filme: Escola sem sentido

Diretor: Thiago Foresti

Gênero: Ficção

Minutagem: 15 min

Classificação indicativa: Livre


Nome do Filme: AmbulaTório

Diretora: Júlia de Lannoy

Gênero: Documentário

Minutagem: 21 min

Classificação indicativa: Livre


Nome do Filme: Encanto feminino

Diretora: Fabíola de Andrade

Gênero: Ficção

Minutagem: 8 min

Classificação indicativa: Livre


Nome do Filme: Luis Humberto: o olhar possível

Diretores: Mariana Costa e Rafael Lobo

Gênero: Documentário

Minutagem: 20 min

Classificação indicativa: Livre


Premiação da Mostra Brasília BRB

Prêmios do Júri Oficial:

Melhor longa-metragem: R$ 50.000,00

Melhor curta-metragem: R$ 30.000,00

Melhor direção: R$ 8.000,00

Melhor ator: R$ 4.000,00

Melhor atriz: R$ 4.000,00

Melhor roteiro: R$ 4.000,00

Melhor fotografia: R$ 4.000,00

Melhor montagem: R$ 4.000,00

Melhor direção de arte: R$ 4.000,00

Melhor edição de som: R$ 4.000,00

Melhor trilha sonora: R$ 4.000,00


Prêmios do Júri Popular:

Melhor longa-metragem: R$ 20.000,00

Melhor curta-metragem: R$ 10.000,00


A comissão de seleção da Mostra Brasília BRB de Cinema:

Celso Araújo chegou a Brasília em dezembro de 1968. Estudou Psicologia e Comunicação no Ceub, não concluindo nenhum dos cursos. A partir de 1974, interessa-se pelo Jornalismo. Atua na área cultural desde então, em veículos como Jornal de Brasília, Correio Braziliense, Rádio Nacional e Rádio Cultura. Autor e diretor de peças de teatro, criou a banda de rock Akneton (1985-2000). Tem dois livros de reportagem publicados e é autor de uma história do teatro brasiliense, A cidade teatralizada.


Reginaldo Gontijo é graduado pela UnB e pós-graduado na UFF. Cineasta e poeta, reside em Brasília há 43 anos. Dirigiu três longas, o premiado O mar de Mário (2010), sobre o mitológico diretor de Limite, Mário Peixoto; Eudoro e o logos Heráclito (2012), sobre o filósofo Eudoro de Sousa, e O colar de Coralina (2017), ficção sobre a poeta Cora Coralina. Participou dos principais festivais de cinema no país e no exterior.


Daniel Basil é nascido no Rio de Janeiro, mas radicado em Brasília. Começou sua carreira profissional na fotografia em 2001, em estúdios e laboratórios fotográficos, nas mais diversas áreas e segmentos do ramo. Em 2006, iniciou a migração para a produção audiovisual e desde então vem realizando projetos na área como diretor de fotografia em longas e curtas-metragens de ficção e documentário, institucionais, publicidade, séries de TV e videoclipes, no Brasil e no exterior.


*Todas as informações da 52ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro estão disponíveis em www.festivaldebrasilia.com.br


Fotos para download

https://drive.google.com/drive/folders/1UnNE0lokh3Y-Nk0LuvMDOcbQ0toZC88i?usp=sharing


Informações para a imprensa:

Pelo e-mail imprensa@festivaldebrasilia.com.br


Secretaria de Cultura e Economia Criativa:

(61) 3325-6220 / (61) 99344-0500

E-mail: comunicacao@cultura.df.gov.br


Eixos Comunicação Integrada:

(61) 98454-2063

E-mail: contato@eixoscomunicacao.com

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.